Dos acordes de uma guitarra imaginária, os pensamentos de um guitarrista sem dedos para a tocar

sábado

Sempre foram assim os bichos

Não se sentem calados os bichos, não se sentem. Estão a agir em fileiras calados, estão calados. Gordos e anafados. São cobras, gatos, cães e lagartos. Não tomam leite às refeições, mas antes delas e depois, calados, sentados, sentem-se os bichos.



Quando a depressão se instala a necessidade para o disparate é maior do que o habitual. Estou sentado preparado para trabalhar. Tirem-me uma tarde a trabalhar e tiram-me uma noite com os amigos a beber copos e a falar merda.

Por falar nisso. Já fui melhor em conversa de merda. Hoje em dia... Nada. Não me ocorre nada. Fico chateado. Costumava ser bom nisso. Conversar por conversar. Sem nenhum interesse especial pela conversa. Hoje em dia as pessoas interessam-me menos? Ou estou a contar uma história ou estou a criá-la. Seja como for, não há tempo para inventar conversa de merda. Sentem-se os bichos sentem. 

Sem comentários: