Dos acordes de uma guitarra imaginária, os pensamentos de um guitarrista sem dedos para a tocar

quinta-feira

Se gostares do teu blogue...



Hoje no Hot Clube, com uma sala recheada de grande músicos negros pendurados nas paredes, o Miles Davis e os seus retratos habituais, com as mãos a passar pelo rosto. Homens negros ao piano, outro negros segurando o saxofone. No palco, contraponto, só músicos brancos, um era tão branco, tão branco, que se chamava Ivanov e é um baterista em Portugal. O RAP, aparentemente, retirou todos os homens negros em Portugal em adeptos de sonoridades repetitivas e de criatividade falada, e não sonorizada...



Conversa de bar entre três tipos que não se conhecem assim tão bem:

Rapaz A: Epá, eu tenho antepassados negros, o meu cabelo faz assim carapinha...

Rapaz B: É? - Diz desconfiado.

Rapaz EU: Hum... Agora é bastante liso...

Rapaz A: Mas é verdade! Agora passou. O meu nariz. Reparem! É um nariz de negro! Achatado, sem cana de nariz.

Enquanto falávamos dois bons saxofonistas brancos trocavam solos. Tentando mostrar a sua negritude pelo som. E não pela conversa.

Rapaz A: Acreditem! Eu tenho sangue negro nas veias!

Rapaz B: Mas vê! Eu sou muito mais escuro que tu. Andei pela Turquia com tipos a recusarem-se a falar comigo em inglês. Achavam que eu era de lá e estava a gozar com eles. Ninguém pensa que eu sou europeu no estrangeiro.

Rapaz EU: Eu sou parado nos aeroportos o tempo todo.

O Rapaz EU, que sou eu, foi ignorado, com os outros dois a colocarem os braços ao lado um do outro para ver qual era o braço mais escuro. Ao que o Rapaz EU em voz mais alta diz:

Rapaz Eu: Mas se nós os três baixarmos aqui as calças, o preto sou eu!

Os dois olharam um para o outro. Depois para mim. dois risos esforçados e acabou ali a conversa.

Porque é que eu fiz isto? Não sei. Falta de confiança. Que é a única maneira de um homem tentar valorizar-se desta maneira... Mas achei que devia ser assim.

O Rapaz A pegou no saxofone e o que se seguiu foi a demonstração de toda a sua negritude jazzistica. Incrível saxofonista. O Rapaz B é o único baterista que eu conheço que faz melodia com a bateria dele. Já eu toco um belo pífaro de mão quando estou sozinho e solitário...

E com duas péssimas piadas reabre o Emmet Ray. Provavelmente até eu arranjar uma namorada. Isto porque, se gostares do teu blogue... mantém-te afastado de qualquer namorada.

Sem comentários: